Postado em 16/07/2019 - Fonte: Contabilidade na TV

Fenacon defende que tribunais usem a TR como índice de correção de débitos trabalhistas

Federação atuará como “amicus curiae” em ações sobre o tema no STF

A Fenacon (Federação Nacional das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas) irá atuar como amicus curiae (“amigo da corte”) nas Ações Declaratórias de Constitucionalidade (ADC) 58 e 59, que tratam dos índices de atualização monetária dos débitos e depósitos trabalhistas.

As respectivas ações, que devem ser julgadas nos próximos meses pelo Supremo Tribunal Federal (STF), visam garantir que os tribunais do trabalho utilizem a TR (Taxa Referencial) como índice de correção monetária dos valores dos respectivos débitos e depósitos – conforme estipulado pela Reforma Trabalhista (Lei 13.467/2017).

Na ação, alega-se que a Justiça do Trabalho tem declarado a inconstitucionalidade da nova regra e definido o IPCA-E (Índice de Preços ao Consumidor Amplo Especial) como índice de correção válido. Para a Fenacon, a prática gera insegurança jurídica aos empresários – e apenas o pronunciamento definitivo do STF poderá afastar a polêmica.

“A Reforma determinou que a atualização dos créditos decorrentes de condenação judicial deve ser feita pela TR, mas alguns tribunais continuam utilizando o IPCA-E como índice de correção”, explica Ricardo Monello, diretor de Assuntos Legislativos da Fenacon. “Por esta razão foram distribuídas ao STF as ADCs de números 58 e 59: para que a TR seja declarada constitucional, garantindo assim segurança jurídica às futuras atualizações sobre créditos trabalhistas”.

O tema têm gerado polêmicas desde 2015, quando o Plenário do Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou inconstitucional o uso da TR como índice de correção monetária dos valores dos débitos e depósitos trabalhistas. A taxa – divulgada mensalmente pelo Banco Central do Brasil (Bacen) – era utilizada pelos tribunais trabalhistas para a correção dos valores desde 1990.

Segundo o TST, o IPCA-E seria a ferramenta mais justa para a realização dos cálculos – de modo que instituiu o mesmo como índice para a atualização monetária. Poucos meses depois, porém, o STF suspendeu a decisão do TST, e a Taxa Referencial voltou a ser utilizada. A falta de um pronunciamento definitivo, porém, abre brechas para que os tribunais trabalhistas sigam o entendimento do TST e determinem que as correções sejam realizadas de acordo com o IPCA-E.

Para a Fenacon, a TR é a melhor alternativa, uma vez que pode vir a oferecer benefícios às duas partes envolvidas: empresas e trabalhadores.

“A TR é menos onerosa para as empresas e até mesmo para o trabalhador, caso ele perca a ação judicial e precise arcar com os custos de uma condenação trabalhista”, argumenta Monello. “Segundo levantamento interno, a fixação da TR como fator de correção monetária pode gerar um impacto substancial nos passivos trabalhistas.”

Segundo ele, é trivial que o STF julgue constitucional o uso da taxa para as correções.

“Atualmente o IPCA-E é o índice mais utilizado pelos Tribunais Regionais do Trabalho”, destaca. “Caso o STF estabeleça o uso da TR para as ações trabalhistas, o impacto deve ser positivo para as empresas que enfrentam processos, pois é um índice menos oneroso para atualizações dos cálculos”.

As ADCs foram distribuídas ao ministro Gilmar Mendes, que analisará os pedidos. Por ora, porém, não há previsão sobre quando estas serão julgadas.

 

Comente »